27 junho 2017

Inovação no ensino de bioquímica

Livro resultante de um projeto que reúne pesquisadores de cinco países, entre eles o Brasil, usa uma abordagem inovadora para ensinar bioquímica a alunos de nível superior na área de saúde.

Em vez de se restringir ao ensino de um conjunto de processos metabólicos isolados, livro apresenta a bioquímica de modo contextualizado, enfatizando o papel desses mecanismos no funcionamento do nosso organismo. (foto: Wikimedia Commons/ J3D3 – CC BY-SA 4.0)

Quando se pensa em bioquímica, em geral vem à mente o estudo de uma série de processos químicos e metabólicos isolados que ocorrem no interior dos organismos. Mas a bioquímica pode ser apresentada de modo mais contextualizado, que evidencie a integração desses processos e sua importância para a manutenção da vida. Trazer essa abordagem inovadora para o estudo da bioquímica é o principal objetivo de um livro que resultou da colaboração entre pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e do Instituto de Medicina Molecular (iMM), em Lisboa.

Lançado em 2015, o livro Integrative Human Biochemistry – A Textbook for Medical Biochemistry (Bioquímica humana integrativa – um livro-texto para bioquímica médica, em tradução livre) era um plano antigo desses pesquisadores que se tornou realidade, em grande parte, graças à criação do projeto Inpact, que reúne instituições de cinco países em prol do desenvolvimento de novos fármacos para combater o câncer e doenças infecciosas causadas por bactérias. Publicada pela editora americana Springer e disponível apenas em inglês, a obra, escrita pela bioquímica brasileira Andrea Da Poian, da UFRJ, e pelo bioquímico português Miguel Castanho, do iMM, é um dos primeiros legados desse projeto internacional.


(foto: Nuno Branco/ justNews)

No livro, os pesquisadores apresentam apenas tópicos de bioquímica relevantes para a compreensão do funcionamento do corpo humano. Ao contrário de outros manuais de ensino, tipicamente mais descritivos, Integrative Human Biochemistry começa com uma pergunta: como obtemos e armazenamos a energia que nos mantém vivos? Segundo Castanho, a bioquímica é apresentada como um meio de responder a essa questão.

Primeiro, a obra fornece exemplos para demonstrar a importância do estudo de fenômenos moleculares para compreender a vida, a saúde e as doenças. Em seguida, o leitor é apresentado a várias famílias de moléculas e pode perceber que poucas delas são suficientes para assegurar uma grande diversidade biológica. Os princípios da química nas células são abordados tendo em conta a velocidade e o encadeamento das reações químicas, evidenciando como o metabolismo emerge naturalmente desses conceitos.

Finalmente, os processos de geração, consumo e armazenamento de energia pelo nosso organismo são explicados em detalhe, com foco em diversas situações fisiológicas humanas, como o jejum, a alimentação, o exercício físico e a ocorrência de doenças, sempre salientando o papel da regulação metabólica nesses contextos. “No livro, a bioquímica é abordada com pontes para a histologia, a fisiologia e a farmacologia humana”, salienta Castanho.

Para ilustrar como o corpo humano funciona em nível molecular, a obra recorre a acontecimentos históricos relevantes que deram origem a novos conceitos em bioquímica, fornecendo assim uma noção de como o conhecimento científico emerge. Ao longo do livro, é possível encontrar também particularidades, curiosidades e aplicações clínicas dos conceitos apresentados.


Você sabia que até óculos de sol com lentes transparentes podem ser eficazes em bloquear a radiação UV e impedir que ela faça mal aos nossos olhos? Essa e outras curiosidades relacionadas a processos bioquímicos estão presentes no livro Integrative Human Biochemistry. (foto: Mabel Amber/ Pixabay – CC0)

Para além do mérito de oferecer uma visão integrada da bioquímica, a obra pode ser uma ferramenta extremamente útil para o treinamento de futuros pesquisadores, alunos de medicina e outros cursos do campo da saúde, bem como pode servir como manual de ensino para professores da área. “O livro tem uma abordagem pedagógica muito moderna e em linha com as vertentes mais atuais do ensino médico e da educação na área da saúde. Os manuais gerais de bioquímica tendem a ser demasiado gerais para os alunos dessas áreas”, avalia o pesquisador português.

Segundo Castanho, Integrative Human Biochemistry é um dos poucos manuais de bioquímica distribuídos em nível mundial escrito por autores não anglo-saxônicos. Ele ressalta também a boa aceitação da obra: “Em reconhecimento à sua qualidade, em menos de 18 meses a versão eletrônica já teve cerca de 11 mil downloads de capítulos ou livros no total.”

 

Margarida Martins
Instituto de Medicina Molecular (Lisboa/ Portugal)
Especial para CH On-line

Tags:
COMPARTILHAR