Avanço no diagnóstico molecular da doença de Chagas

Laboratório de Biologia Molecular e Doenças Endêmicas
Instituto Oswaldo Cruz
Fundação Oswaldo Cruz
Laboratório de Virologia e Parasitologia Molecular
Instituto Oswaldo Cruz
Fundação Oswaldo Cruz

Kit desenvolvido no Brasil permite identificar, com manuseio simples e alta eficiência, material genético do parasita Trypanosoma cruzi, causador da doença, no sangue de pessoas infectadas

Kit NAT Chagas de qPCR produzido no Brasil para o diagnóstico molecular da doença de Chagas

CRÉDITO: IBMP

A doença de Chagas, causada pelo protozoário parasita Trypanosoma cruzi, representa um problema de saúde pública mundial e se posiciona entre as quatro principais doenças infecciosas e parasitárias que mais matam no Brasil, junto com a malária, a tuberculose e a esquistossomose. Ela é considerada uma doença negligenciada e endêmica em 21 países da América do Sul, afetando principalmente as populações vulneráveis.

Com o aumento da mobilidade de pessoas que viviam em países endêmicos e migraram para outros em busca de melhores condições de vida, a doença de Chagas hoje está presente em praticamente todos os continentes, com cerca de 6 a 7 milhões de pessoas infectadas.

Por muitos anos, nosso grupo de pesquisa esteve envolvido com o melhoramento do diagnóstico da doença, por meio da busca de marcadores moleculares do genoma de T. cruzi capazes de identificar a presença do parasita no sangue de indivíduos infectados. No início dos anos 1990, introduzimos a reação em cadeia da polimerase ou PCR (na sigla em inglês) como ferramenta em potencial para o diagnóstico molecular da doença de Chagas, fornecendo maior sensibilidade e especificidade para a detecção do material genético de T. cruzi, se comparada aos métodos parasitológicos e sorológicos convencionais.

A doença de Chagas apresenta duas fases – aguda e crônica. Na fase inicial (entre um e dois meses após a infecção), a doença é caracterizada pelo elevado número de parasitas no sangue. Nesse caso, o diagnóstico pode ser realizado pela observação microscópica direta do parasita presente em uma gota de sangue. À medida que a infecção se instala, gradativamente, o indivíduo entra na fase crônica, quando o número de parasitas na corrente sanguínea já se encontra bem reduzido, devido ao combate pelo sistema imunológico do indivíduo. Nessa fase da doença, o diagnóstico é essencialmente feito pela pesquisa de proteínas do sistema imunológico do paciente que reconhecem especificamente a presença do T. cruzi no sangue.

Com o avanço da nossa pesquisa, começamos a desenvolver uma metodologia de PCR em tempo real quantitativa (qPCR) que possibilitasse não somente realizar o diagnóstico de presença ou ausência do material genético de T. cruzi em uma amostra, mas também estimar sua carga parasitária, ou seja, medir a quantidade de parasitas.

Assim, há exatos 10 anos, nossos laboratórios na Fundação Oswaldo Cruz iniciaram os testes que deram origem ao kit NAT Chagas (do inglês, Nucleic Acid Test for Chagas Disease), o qual, após sua validação em amostras de sangue de indivíduos portadores da fase crônica da doença, demonstrou sensibilidade e especificidade elevadas, sendo capaz de detectar a presença de material genético equivalente a apenas um décimo de um parasita. O kit foi produzido com insumos nacionais, fabricados pelo Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP), e recentemente teve seu registro concedido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), sendo o primeiro kit para diagnóstico molecular da doença de Chagas aprovado no Brasil.

O diferencial do kit NAT Chagas, comparado a outros kits comerciais semelhantes, produzidos no exterior, é sua forma de apresentação de fácil uso, com resultados similares ou até superiores aos produtos concorrentes. Com sua aprovação pela Anvisa, passamos a contar com um produto validado para diagnóstico humano, produzido nos mais altos padrões de qualidade a partir de boas práticas de fabricação e que poderá ser oferecido ao Sistema Único de Saúde (SUS). Portanto, o kit NAT Chagas representa uma conquista importante para a saúde pública brasileira.

O kit NAT Chagas emerge como uma alternativa importante para o diagnóstico molecular da doença de Chagas não somente no Brasil, mas também em outros países

Considerando todas as etapas, desde a produção até a distribuição, além de seu custo e seu potencial desempenho, o kit NAT Chagas emerge como uma alternativa importante para o diagnóstico molecular da doença de Chagas não somente no Brasil, mas também em outros países da América Latina em que a doença é endêmica e em países onde a doença se tornou um problema atual de saúde pública. Essa nova geração de kits para diagnóstico molecular pode representar um marco no combate a essa doença negligenciada. Esperamos que o kit NAT Chagas possa tornar mais acessível o diagnóstico e, consequentemente, o tratamento das pessoas portadoras da doença de Chagas, que, em sua grande maioria, são desassistidas e têm pouco acesso à saúde.

Outros conteúdos desta edição

725_480 att-80500
725_480 att-80418
725_480 att-80216
725_480 att-80517
725_480 att-80330
725_480 att-80632
725_480 att-80611
725_480 att-80577
614_256 att-80543
725_480 att-80473
725_480 att-80729
725_480 att-74188
725_480 att-80314
725_480 att-80689
725_480 att-80355

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-78693
614_256 att-74167
725_480 att-87367
725_480 att-86816
725_480 att-86187
725_480 att-85764
614_256 att-85247
725_480 att-84789
725_480 att-84482
725_480 att-84119
725_480 att-83650
725_480 att-83290
725_480 att-82677
725_480 att-82330
725_480 att-81844