A pandemia e os retrocessos
da segurança alimentar no Brasil

A pandemia de covid-19 colaborou para que o brasileiro tivesse menos comida – e de menor qualidade – no prato. Em 2020, estima-se que 116,8 milhões de pessoas estavam em situação de insegurança alimentar, dos quais 19 milhões conviviam com a fome. Quais fatores contribuíram para esse cenário? Mudanças nas políticas públicas e a crise econômica e política levaram a perdas de conquistas importantes no campo da segurança alimentar e nutricional ao longo dos últimos anos.

CRÉDITO: ADOBE STOCK


Entre 2004 e 2013, a insegurança alimentar se reduziu de forma expressiva nos domicílios brasileiros, situação representada pelo aumento no acesso aos alimentos, tanto em quantidade como em qualidade

 A segurança alimentar e nutricional (SAN) é parte da agenda pública do país desde longa data. Trata-se de área que abarca múltiplos conhecimentos, tanto no cenário nacional como internacional, e representa a relação entre disponibilidade e acesso aos alimentos, consumo e qualidade da alimentação, condição de saúde e estabilidade para manter uma situação de vida satisfatória. A avaliação da SAN pode ser direcionada a um país, uma cidade ou até uma família. 

No Brasil, o conceito dessa área foi um marco desenvolvido na II Conferência Nacional de SAN, em 2005, com a participação de diferentes segmentos da nossa sociedade: gestores e técnicos de governo, instituições acadêmicas e organizações sociais, como o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea) – extinto em 2019 – e os conselhos estaduais e municipais da área. O conceito brasileiro agrega o termo ‘nutricional’ à ideia de segurança alimentar, usualmente usada em outros países, com o objetivo de interligar duas abordagens importantes para a construção da área no país – a de saúde e a socioeconômica. 

Aline Alves Ferreira e Rosana Salles-Costa
Departamento de Nutrição Social e Aplicada,
Instituto de Nutrição Josué de Castro,
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Juliana de Bem Lignani
Divisão de Nutrição,
Hospital Universitário Pedro Ernesto,
Universidade do Estado do Rio de Janeiro

 

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-71099
614_256 att-70958
614_256 att-71023
614_256 att-71112
614_256 att-71188
614_256 att-71215
614_256 att-71012
614_256 att-73631
614_256 att-70981
614_256 att-27650
614_256 att-71468
614_256 att-71228
614_256 att-71095
614_256 att-71222
614_256 att-71418

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-79624
725_480 att-79058
725_480 att-79037
725_480 att-79219
725_480 att-78884
725_480 att-78680
725_480 att-78625
725_480 att-78617
725_480 att-78228
725_480 att-78208
725_480 att-78192
725_480 att-78176
725_480 att-77561
725_480 att-77521
725_480 att-77475