Vice-diretora do instituto de Química da UFBA, BÁRBARA CARINE SOARES PINHEIRO é crítica ao padrão acadêmico produzido pelas universidades brasileiras e firme no propósito de se espelhar na sua ancestralidade para construir o futuro

CRÉDITO: FOTO CEDIDA PELA AUTORA

Não me sinto confortável dentro do campo performático cultural, estético, discursivo e literário pautado pela academia brancocêntrica ocidental e não me obrigo a atuar dentro desse modelo de corporeidade e de produção intelectual para me sentir aceita ou para produzir passabilidade à minha presença desajustada a esse espaço. 

Bárbara Carine Soares Pinheiro
Instituto de Química
Universidade Federal da Bahia

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-70958
614_256 att-71023
614_256 att-71112
614_256 att-71188
614_256 att-71215
614_256 att-71012
614_256 att-73631
614_256 att-71439
614_256 att-70981
614_256 att-27650
614_256 att-71468
614_256 att-71228
614_256 att-71095
614_256 att-71222
614_256 att-71418

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-85908
725_480 att-85635
725_480 att-84907
725_480 att-84594
725_480 att-84249
725_480 att-83821
725_480 att-83402
725_480 att-82989
725_480 att-82567
725_480 att-82044
725_480 att-81633
725_480 att-81084
725_480 att-80729
725_480 att-79716
725_480 att-79148