Antropoceno: ter ou não ter, eis a questão!

Museu Nacional/ UFRJ
Academia Brasileira de Ciências

A União Internacional de Ciências Geológicas acaba de rejeitar a criação dessa nova unidade de tempo geológico, proposta para caracterizar o mundo em que vivemos hoje, que tem sido alterado pela influência da ocupação humana

A atividade humana tem gerado efeitos climáticos devastadores no nosso planeta, re sponsáveis por eventos extremos como as recentes enchentes no Rio Grande do Sul

Uma das maiores expectativas no meio acadêmico acaba de chegar ao fim. A proposta de separar a época em que vivemos em uma nova unidade de tempo geológico, denominada Antropoceno, foi rejeitada. A subcomissão que tratou do assunto por solicitação da Comissão Internacional de Estratigrafia (ICS) – uma espécie de guardiã do tempo geológico – rechaçou a proposta por 12 votos, contra apenas 4 a favor (houve 3 abstenções). Esse resultado foi ratificado pela União Internacional de Ciências Geológicas (IUGS) e está dando o que falar…

Tempo geológico

Pesquisadores das ciências da Terra, que envolvem, sobretudo, geólogos que atuam em disciplinas como paleontologia, sedimentologia, estratigrafia e geoquímica, dividem a história geológica da Terra, representada por rochas e camadas, em unidades que compõem a escala ou coluna do tempo geológico. As unidades, dependendo de sua duração, são denominadas de éon, era, período e época, e separadas por marcos encontrados em escala global. Ou seja, a linha do tempo revelada pelas rochas, desde a formação do nosso planeta até os dias de hoje, é separada por episódios expressivos que afetaram a Terra e cujas evidências podem ser achadas em diferentes partes do globo.

Para exemplificar, o mais famoso acontecimento global foi a extinção em massa ocorrida há 66 milhões de anos, quando um meteorito de grandes proporções atingiu o planeta, levando à extinção dos dinossauros não-avianos e outros organismos, como pterossauros (répteis alados) e ictiossauros (répteis marinhos). Esse evento global separa os períodos Cretáceo e Paleógeno, evidenciado por uma fina camada rica em irídio – um elemento químico raro na Terra, mas comum em meteoritos.

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

725_480 att-87661
725_480 att-87755
725_480 att-87852
725_480 att-87831
725_480 att-87559
725_480 att-87613
725_480 att-87589
725_480 att-87724
725_480 att-87855
725_480 att-87818
725_480 att-87716
725_480 att-87790
725_480 att-87735
725_480 att-87656
725_480 att-87837

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-87282
725_480 att-86749
725_480 att-85970
725_480 att-85425
725_480 att-85058
725_480 att-84571
725_480 att-84383
725_480 att-84048
725_480 att-83447
725_480 att-83275
725_480 att-82786
725_480 att-82347
725_480 att-81864
725_480 att-80922
725_480 att-80314