Mulheres cientistas extraordinárias

As mulheres ainda representam apenas 30% dos pesquisadores em todo o mundo. A proporção de laureadas com o Prêmio Nobel, um dos reconhecimentos científicos de maior prestígio, é de apenas 6%. A grande maioria da população sequer sabe citar o nome de algumas delas. Mas, como seriam nossas vidas se todas as cientistas laureadas desaparecessem do planeta ou se suas pesquisas simplesmente não tivessem acontecido? Certamente, muito piores. A Terra precisa de ciência e a ciência precisa das mulheres.

O filme de animação franco-belga-canadense Abril e o mundo extraordinário, de 2015, conta a história de uma realidade fictícia em que todos os cientistas desapareceram da Terra. Em consequência, o mundo se torna atrasado, sem invenções importantes, como eletricidade, rádio e telefone.

Apesar de o filme ser uma crítica sobre a importância da ciência em nossas vidas, há uma cena particularmente que chama a atenção: aparecem vários retratos dos cientistas desaparecidos; entre eles, Louis Pasteur, Albert Einstein, Heinrich Hertz e Alfred Nobel. O/a leitor/a pode estar se perguntando: mas o que há de estranho nisso? É que todos os cientistas mostrados são homens! O desaparecimento deles foi retratado na ficção, já o das mulheres cientistas é real e acontece até hoje.

Quantas cientistas mulheres o/a leitor/a conhece? Quantos nomes de cientistas mulheres leu nos livros da escola e quantas foram citadas em sala de aula? Os questionamentos poderiam se estender se incluíssemos a representatividade de cientistas negras e LGBTQI+ (sigla para designar gays, lésbicas, bissexuais, transgêneros e outras identidades de gênero).

Buscando resolver essa disparidade e alcançar equidade de gênero, houve um aumento, nos últimos anos, de movimentos que lutam pela maior inclusão de mulheres e meninas na ciência. Atualmente, no Brasil, as mulheres formam a maioria das pessoas que concluem os cursos de graduação presencial nas universidades. Porém, mesmo com o aumento da representatividade feminina no ensino superior, a ocupação de cargos mais altos, como reitorias, presidências de sociedades científicas e direção de agências de fomento, continua sendo liderada por homens.

Fernanda Mariath e Leopoldo C. Baratto

Laboratório de Farmacognosia Aplicada
Faculdade de Farmácia
Universidade Federal do Rio de Janeiro

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-50985
614_256 att-27650
614_256 att-50899
614_256 att-50940
614_256 att-50849
614_256 att-50840
614_256 att-50832
614_256 att-50813
614_256 att-50822
614_256 att-50799
614_256 att-50806
614_256 att-50791
614_256 att-50759
614_256 att-50647
614_256 att-50703

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-81551
725_480 att-79624
725_480 att-79058
725_480 att-79037
725_480 att-79219
725_480 att-86055
725_480 att-85946
725_480 att-86145
725_480 att-86160
725_480 att-85705
725_480 att-85728
725_480 att-85716
614_256 att-85525
614_256 att-85256
725_480 att-85016