Pequenos organismos, grandes poderes

Departamento de Biologia Vegetal
Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Departamento de Biologia Vegetal
Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Departamento de Biologia Vegetal
Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho
Universidade Federal do Rio de Janeiro

As cianobactérias têm habitado os ecossistemas aquáticos por quase toda a história da Terra. Ao promover profundas alterações na atmosfera e no clima do planeta, permitiram a evolução de formas de vida mais complexas. Nas últimas décadas, as atividades humanas têm levado ao crescimento excessivo de cianobactérias, muitas delas potencialmente tóxicas, o que pode oferecer riscos à saúde das pessoas e outros animais e resultar em perdas econômicas. Essas florações de cianobactérias podem aumentar ainda mais com as mudanças climáticas.  

CRÉDITO: IMAGEM ADOBE STOCK  

Em 1996, um mistério na cidade de Caruaru (PE) intrigava cientistas e a população em geral. Em fevereiro daquele ano, 116 (89%) de 131 pacientes renais crônicos que faziam tratamento de rotina em uma clínica de hemodiálise começaram a se queixar de dor de cabeça, dor nos olhos, visão turva, náuseas e vômitos. Posteriormente, 100 pacientes desenvolveram insuficiência hepática aguda e 52 morreram até dezembro de 1996. Eles apresentaram sinais e sintomas em comum, e o triste episódio ficou conhecido como ‘síndrome de Caruaru’.

Muitas hipóteses foram levantadas para tentar explicar a causa das mortes, incluindo contaminação da água com agrotóxicos, bactérias patogênicas e até vírus. Porém, análises da água do açude que abastecia a clínica, assim como estudos de seu sistema de tratamento de água e do tecido hepático de alguns pacientes levaram os cientistas a concluir que a síndrome foi causada por toxinas produzidas por cianobactérias, as chamadas cianotoxinas.

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

725_480 att-82290
725_480 att-82269
725_480 att-82066
725_480 att-82314
725_480 att-82133
725_480 att-81998
725_480 att-82279
725_480 att-82058
725_480 att-82036
725_480 att-82151
725_480 att-82044
725_480 att-82347
725_480 att-82341
725_480 att-82173
725_480 att-82211

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-81551
725_480 att-79624
725_480 att-79058
725_480 att-79037
725_480 att-79219
725_480 att-88039
725_480 att-88270
725_480 att-88187
725_480 att-88170
725_480 att-87831
725_480 att-87559
725_480 att-87613
725_480 att-87589
725_480 att-87306
725_480 att-87325