O terceiro texto da série de colunas sobre a origem da vida apresenta os avanços e problemas da compreensão sobre diferentes aspectos do surgimento do primeiro organismo vivo.

Um experimento relativamente simples feito em 1953 pelos químicos americanos Stanley L. Miller (1930-2007) e Harold C. Urey (1893-1981) causou grande alvoroço entre os cientistas na época. Eles reproduziram em laboratório a atmosfera existente logo após o surgimento da Terra e, com descargas elétricas, conseguiram gerar aminoácidos, que são moléculas orgânicas simples.

Muitos imaginavam que a criação em laboratório de um ser vivente a partir de moléculas orgânicas seria uma questão de tempo. Apesar do otimismo inicial, décadas se passaram e a façanha não apenas deixou de ser realizada, como cresce a cada dia a percepção de que ainda estamos muito longe disso.

Alexander W. A. Kellner

Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Academia Brasileira de Ciências

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-42639
614_256 att-42630
614_256 att-42602
614_256 att-42590
614_256 att-42616
614_256 att-42581
614_256 att-27650
614_256 att-42544
614_256 att-42508
614_256 att-42491
614_256 att-42482
614_256 att-42402
614_256 att-42387
614_256 att-42381
614_256 att-42368

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-87796
725_480 att-87282
725_480 att-86749
725_480 att-85970
725_480 att-85425
725_480 att-85058
725_480 att-84571
725_480 att-84383
725_480 att-84048
725_480 att-83447
725_480 att-83275
725_480 att-82786
725_480 att-82347
725_480 att-81864
725_480 att-80922