Memória muscular realmente existe? Nosso músculo se lembra do treinamento e se adapta mais rapidamente após um período “parado”?

Laboratório de Fisiologia do Exercício
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Setor de Fisiologia Esportiva
Centro de Treinamento Esportivo
Laboratório de Fisiologia do Exercício
Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

CRÉDITO: IMAGEM ADOBE STOCK

Você se lembra do seu último programa de treinamento na academia, no clube ou na escola há muitos anos? Talvez você não se lembre, mas sabia que os nossos músculos esqueléticos sim? Esse tipo de músculo está ligado ao esqueleto, e é responsável pelo movimento do corpo, dentre várias outras funções. 

Você já deve ter percebido em seu corpo ou deve ter ouvido falar que o condicionamento físico (força muscular ou resistência à fadiga) melhora muito mais rápido quando você retorna ao treinamento (retreinamento) após um período afastado (destreinamento) comparado à condição em que você começa a treinar pela primeira vez, sem ter praticado aquele tipo de exercício antes – exemplo: musculação ou corrida. Sim, isso é verdade! 

Estudos têm sugerido que esse efeito pode ser explicado por adaptações neurais, tanto no cérebro como nos nervos periféricos, mas principalmente por adaptações “exclusivamente” musculares relacionadas a duas teorias: i) “Memória” muscular celular e ii) “Memória” muscular molecular (ou epigenética). Mas o que seria a “memória” celular? Essa memória se refere às adaptações que ocorrem na estrutura e organização de compartimentos das células musculares, por exemplo, o aumento da quantidade de novos núcleos. Esse tipo de adaptação é importante para o aumento do DNA, uma molécula que contém todas as informações genéticas do organismo. E a “memória” molecular? Ela se refere a modificações no DNA do músculo, como a metilação, mas sem alterações na sequência ou quantidade do DNA. 

Ambos os tipos de memórias poderiam levar a mudanças na expressão de genes relacionados ao crescimento (hipertrofia), força ou resistência à fadiga da musculatura e essas alterações seriam retidas no destreinamento, acelerando a adaptação muscular no retreinamento.

A compreensão da “memória muscular” pode ajudar não somente no desenvolvimento de intervenções mais eficazes para o condicionamento físico após um período de inatividade física, mas também na compreensão dos mecanismos de “reconfiguração molecular” estimulados pelo exercício físico em músculos de indivíduos idosos ou doentes.

Sharples AP, Turner DC. Skeletal muscle memory. American Journal of Physiology  / Cell Physiol. Junho de 2023. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/37154489/

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

725_480 att-86074
725_480 att-86001
725_480 att-86334
725_480 att-86055
725_480 att-85946
725_480 att-86145
725_480 att-86160
725_480 att-86096
725_480 att-85957
725_480 att-85894
725_480 att-85985
725_480 att-85916
725_480 att-85908
725_480 att-85970
725_480 att-86129

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-87249
725_480 att-87246
725_480 att-86573
725_480 att-85957
725_480 att-85667
725_480 att-85808
725_480 att-84987
725_480 att-84858
725_480 att-84281
725_480 att-84078
725_480 att-83456
725_480 att-82948
725_480 att-82746
725_480 att-82058
725_480 att-81808