Trabalho e infância na literatura infantil e juvenil (parte 2)

A infância travestida de adulto, que caracterizou e caracteriza a realidade de boa parte das crianças brasileiras, ainda hoje encontra rara representatividade na literatura infantil.

Na coluna anterior, falávamos sobre o novo conceito de infância, de valorização desta etapa da vida que surgia no século 18, com base em concepções de filósofos como o britânico John Locke (1632-1704) e o suíço J.J. Rousseau (1712-1778), que ora enxergavam a criança como um ser não civilizado, carente da orientação dos adultos para se desenvolver; ora como metáfora da natureza — da planta que deveria crescer, de forma orgânica e natural, sem a interferência rígida do processo educativo. Destacamos como a fusão dessas concepções se refletiu na literatura, com o surgimento de obras moralistas e edificantes, além de livros de fábulas, de contos de fadas, de histórias de aventuras e de gravuras, que se constituíram como importante alimento do imaginário infantil.

Mas, se por um lado, no século 18, a Europa se mostrava empenhada em cuidar da infância, por outro, a Revolução Industrial, responsável por arregimentar, na Inglaterra, os filhos dos pobres para o trabalho nas fábricas a partir de quatro anos de idade, fez cair por terra os limites, ainda frágeis, que separavam o mundo infantil do mundo adulto.Forjava-se uma nova geração de adultos em miniaturas, cujas obrigações superavam as mais insólitas tarefas impostas às personagens dos contos maravilhosos, que figuravam nos livros de histórias. Afora isso, as punições reservadas às crianças pobres em nada diferiam das dos adultos – crianças podiam ser severamente punidas e até mesmo enforcadas quando pegas em faltas consideradas muito graves.

Georgina Martins

Programa de Mestrado Profissional em Letras (Profletras)
Curso de Especialização em Literatura Infantil e Juvenil, Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Escritora de livros para crianças e jovens

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-38069
614_256 att-27650
614_256 att-37965
614_256 att-37955
614_256 att-37941
614_256 att-37906
614_256 att-37815
614_256 att-37805
614_256 att-37795
614_256 att-37782
614_256 att-37731
614_256 att-37727
614_256 att-37591
614_256 att-37584
614_256 att-37559

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-87837
725_480 att-87273
725_480 att-86764
725_480 att-86138
725_480 att-85584
614_256 att-85227
725_480 att-84749
725_480 att-84347
725_480 att-83952
725_480 att-83581
725_480 att-82914
725_480 att-82670
725_480 att-82211
725_480 att-81727
725_480 att-81342