Vinte anos comunicando ciência

Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo
Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)
Agência Bori

Apesar do pouco contato com o tema no ensino básico, Sabine Righetti conta como descobriu o jornalismo científico e criou uma agência para divulgar a pesquisa nacional, o que a levou a conquistar o Prêmio José Reis, o mais importante da sua área

CRÉDITO: FOTOS WANEZZA SOARES/DIVULGAÇÃO

Quem me vê hoje circulando em ambientes acadêmicos e escrevendo sobre as mais diversas áreas da ciência talvez não imagine o quanto a ciência chegou tarde para mim. Assim como a maioria da população brasileira, eu tive uma educação científica de base muito ruim, fundamentada na lousa e na memorização de conceitos que eu não entendia direito, mas que caíam na prova. Foi assim que cheguei ao curso de Jornalismo da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em 1999, aos quase 18 anos: sem nunca ter pisado em um laboratório de ciências.

 

Quando digo que a maioria das pessoas no Brasil está distante da ciência não é exagero. Para se ter uma ideia, a última pesquisa nacional de percepção pública da ciência, que analisa como as pessoas conhecem, se interessam, valorizam e se engajam pela ciência, mostrou que nove em cada dez brasileiros não sabiam dizer o nome de um cientista ou de uma instituição que fizesse pesquisa. Isso em um país que está entre os 15 maiores produtores de ciência do mundo.

Barreiras para a educação científica

Adicionalmente a isso, temos, no Brasil, um dos piores níveis de educação de ciências do mundo. Os dados do exame de 2018 do exame Programme for International Student Assessment (Pisa), da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), mostraram que 55% dos alunos brasileiros não tinham nível básico em ciências. Nosso ensino é, de fato, muito teórico: só 10% das escolas públicas do país têm “laboratório de ciências”, de acordo com o Censo da Educação Básica de 2021. Fora da escola, os espaços de educação não formal – como museus e zoológicos – também são poucos. Assim fica difícil estar próximo da ciência, né?

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

725_480 att-83339
725_480 att-83596
725_480 att-83492
725_480 att-83568
725_480 att-83506
725_480 att-83382
725_480 att-83363
725_480 att-83661
725_480 att-83456
725_480 att-83394
725_480 att-83420
725_480 att-83447
725_480 att-83519
725_480 att-83605
725_480 att-83581

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-88082
725_480 att-87735
725_480 att-87219
725_480 att-86562
725_480 att-85908
725_480 att-85635
725_480 att-84907
725_480 att-84594
725_480 att-84249
725_480 att-83821
725_480 att-82989
725_480 att-82567
725_480 att-82044
725_480 att-81633
725_480 att-81084