A história ambiental segundo os brasões

Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais, Laboratório de Mamíferos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Instituto Pró-Carnívoros
Universidade de São Paulo
Departamento de Ecologia e Zoologia
Universidade Federal de Santa Catarina

A partir do século 16, com a chegada dos portugueses a nosso território, inicia-se um processo de exploração dos recursos naturais e as primeiras atividades com impacto negativo sobre a biodiversidade brasileira. Os autores deste artigo buscaram recuperar a história ecológica do Brasil pós-colonial, estudando os 5.570 brasões municipais brasileiros e identificando seus elementos naturais, agrícolas e etnoculturais explícitos, para, assim, construir uma linha do tempo dessa simbologia histórica.

De todos os países, o Brasil é onde encontramos o maior número de espécies de animais, plantas e microrganismos. Essa grande biodiversidade está relacionada aos diferentes tipos de ambientes naturais encontrados ao longo de todo o nosso território, como as florestas tropicais úmidas e secas, as savanas, os campos naturais e as áreas úmidas e inundáveis. 

Entretanto, o aumento das atividades humanas nas últimas décadas – principalmente, desmatamento e queimadas para expansão da agricultura, pecuária e áreas urbanas – tem ameaçado boa parte da biodiversidade brasileira. Como resultado, 40% do total das áreas naturais do Brasil já foram perdidas. Apesar de as ações humanas modernas causarem um impacto negativo muito forte sobre a natureza, sabemos que nem sempre essa relação foi assim.

Muito antes da colonização europeia, há pelo menos 3.500 anos, o Brasil já era ocupado por centenas de sociedades indígenas que utilizavam os recursos naturais em atividades de caça, pesca, extrativismo e agricultura, sem causar impactos significativos na biodiversidade local. Vale ressaltar a colossal diferença entre os impactos sobre o meio causados por atividades de exploração em larga escala para fins econômicos e os provocados por atividades extrativistas realizadas por comunidades autóctones para autossuficiência. 

De fato, embora os humanos e a biodiversidade estejam coexistindo há tempos, é a partir do início do século 16, com a chegada da frota portuguesa liderada por Pedro Álvares Cabral, que a história e a ecologia do Brasil começam a ser documentadas.

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

725_480 att-86817
725_480 att-86492
725_480 att-86522
725_480 att-86725
725_480 att-86535
725_480 att-86460
725_480 att-86857
725_480 att-86573
725_480 att-86872
725_480 att-86550
725_480 att-86562
725_480 att-86749
725_480 att-86756
725_480 att-86764
725_480 att-86475

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-81551
725_480 att-79624
725_480 att-79058
725_480 att-79037
725_480 att-79219
725_480 att-87306
725_480 att-87325
725_480 att-87110
725_480 att-87386
725_480 att-86725
725_480 att-86535
725_480 att-86460
725_480 att-86055
725_480 att-85946
725_480 att-86145